Roda de Constelações Familiares

No dia 07.04 (sábado) teremos mais uma Roda de Constelações Familiares e Exercícios Sistêmicos aqui na Casa Sol Maior. Como sempre, todos são muito bem vindos a participar do grupo!

A serviço da Vida.

## HÁ VAGAS PARA CONSTELAR##

Para participar: R$30,00 por pessoa ou R$50,00 o casal.
Para Constelar

um tema: Favor entrar em contato.


O que é Constelação Familiar?

Uma proposta de trabalho terapeutico criada pelo teólogo e psicoterapeuta Alemão Bert Hellinger.
Hellinger foi padre missionário, teólogo, filósofo abandonou o sacerdócio e se dedicou a terapia primal, hipnose, PNL, psicanalise, psicodrama e outras formas de terapias sistêmicas. Em contato com a técnica de esculturas familiares de Virginia Sattir, sua vivência entre os Zulus na africa onde em contato com essa cultura observou a reverência e respeito que os nativos tinham e tem aos antepassados e através da observação de movimentos e sentimentos espontâneos de pessoas escolhidas como "representantes" em grupos terapêuticos surgiu a constelação Familiar como Conhecemos.
Através das Constelações Familiares, entramos em contato com A grande alma familiar e que carregamos em nosso interior, Podemos dizer que acessamos um DNA sutíl onde fica armazenada nossa origem, nossa história pessoal e familiar bem como suas feridas e cicatrizes.
Por esse meio trazemos a luz o que estava oculto e atuando de forma a nos limitar de viver a vida em plenitude.

Como é feita uma Constelação?

O Cliente trará o tema a ser Constelado e escolhera e posicionará pessoas para representar os membros do sistema em questão em um espaço pré-determinado. Esses representantes, sem intenção de nada, se entregarão de maneira meditativa e centrada aos movimentos e sentimentos que emergirão do campo e dessa maneira o "emaranhado" ao qual o cliente está identificado se mostra e na maioria das vezes resulta em uma imagem de cura, reconciliação e liberação e que constantemente ultrapassa e muito os limites do que compreendiamos até então.

Quais benefícios posso esperar de uma constelação?

As constelações familiares são uma maneira eficiente de nos liberarmos do amor infantil e nos colocarmos em um Amor Adulto que abarca a todos e vê a todos como iguais.
Também busca colocar em ordem aquilo que está fora de ordem para que o amor flua.
Dar lugar aos excluidos ( quando excluimos alguem de nosso coração nos tornamos iguais a pessoa excluída).
Encontrar nosso lugar (em nosso lugar temos a força).

Quem pode Constelar?

As constelações são orientadas a pessoas, casais, e organizações que procuram um meio de resolver situações dificeis e desafiadoras e nos colocam em contato com padrões de conduta conflitiva ou destrutiva que nos limitam. É recomendado para pessoas dispostas a entrar em contato com seu próprio valor, renunciar suas limitações, ampliar sua visão sobre a vida e suas relações para viver a vida de maneira mais leve e exitosa.
A princípio qualquer pessoa adulta pode constelar.

Temas possiveis:

Doenças
Problemas com drogas
conflitos com pai e mãe
Avô e avó no lugar dos pais
Se meus pais não foram felizes e a mim me custa ser.
relação conjugal
sentimento de não pertencimento
abortos
medos e fobias
tomada de decisão
problemas de finanças
sua relação com o mundo
sua relação com a vida
dificuldade com figuras de autoridade
relação com irmãos
depressão
vontade de morrer
Assassinatos
violência e abusos
entre outros....


Sobre as ordens do Amor
retirado de: http://constelacaofamiliar.net.br/as-ordens-do-amor/#

Todos temos uma consciência pessoal, a qual percebemos como “leve” ou “pesada”.
Sentimos essa consciência avaliar nossos atos. Muitos julgam inclusive ser essa consciência o juiz do “certo” e do “errado”.
Esse é um engano muito comum.
Nossa consciência pessoal nada tem a ver diretamente com o certo ou o errado.
Ela se guia por outros princípios, que podem ou não estar ligados ao que é denominado de moralmente “certo” ou “errado”.
A descoberta desses princípios por Bert Hellinger descortinou um universo de percepções sobre a natureza de nossos relacionamentos familiares
E por extensão a todos os demais grupos aos quais cada ser humano está ligado.
Investigando a forma como cada um se sentia muitas vezes inocente (ou de consciência “leve”) mesmo cometendo atos agressivos, violentos e que prejudicavam a si e a outros,

Hellinger percebeu que a consciência pessoal se liga a três princípios, a saber:

• Um princípio vinculador, que estabelece o pertencimento ao grupo
• Um princípio de equilíbrio nas trocas, entre o dar e o receber
• Um princípio de ordem ou hierarquia dentro do grupo


Nos sistemas familiares, quando alguém faz algo que ameaça seu pertencimento ao grupo sente imediatamente a consciência “pesada”.
Por exemplo, se alguém se depara com o fato de estar saudável, mas todos os membros de seu grupo familiar estiverem muito doentes, vai se sentir “culpado”.
Ou um membro de uma família de criminosos, sente-se “culpado” se não comete ele também algum delito. Estranho, não é?
Especialmente estranho, porque nesses casos, essas pessoas se sentiriam “inocentes” – ou de consciência leve – fazendo coisas que no primeiro caso (adoecer junto com os demais membros da família) seria uma coisa “ruim”.
E no segundo (não cometer nenhum delito) seria uma coisa “boa”.
Seguindo os dois princípios seguintes, podemos perceber que quando recebemos algo bom, sentimos uma pressão interna para retribuir.

O que é na verdade uma forma de consciência pesada, percebida como dívida.

No caso da ordem, se temos que agir de forma a repreender alguém que está acima de nós na hierarquia, percebemos isso como algo que nos deixa “de saia justa” – por outro lado, se o fazemos com um subordinado, isso não nos pesa tanto.

Mas Hellinger ainda descobriu um outro fato surpreendente e que na maior parte do tempo nos escapa da percepção.
Ele descobriu a existência de uma consciência grupal comum que atua sobre um grupo bem delimitado de pessoas de cada grupo familiar.
Esse grupo é guiado por essa consciência de forma que só podemos perceber a existência dela através de seus efeitos.
Nós não a percebemos como “leve” ou “pesada” da mesma forma como percebemos a consciência pessoal.
Essa consciência grupal também se guia pelos mesmos princípios anteriormente citados, mas de forma diferente.

Podemos explicar isso de forma simples assim:


• Em relação ao vínculo, a consciência grupal não permite que qualquer membro do grupo seja esquecido, expulso ou excluído sem exigir uma compensação.

Caso ocorra, ela vai exigir que um descendente que vem mais tarde (e que frequentemente nada sabe ou nem mesmo participou do fato) repita o destino do excluído ou aja de forma similar a ele (sem o saber).

• Em relação ao equilíbrio, essa consciência exige uma compensação adequada para o que foi dado e recebido.
Se alguém recebe demais e não equilibra isso, então um descendente tem a propensão de fazê-lo em seu lugar.

• Em relação à ordem, essa consciência não admite a interferência dos pequenos nos assuntos dos maiores.
Sob pena de os primeiros se sentirem (sem perceber) tentados a expiar sua interferência através do fracasso, da doença e de destinos difíceis.
Dito isso, fica então muitas vezes claro que alguém, agindo de “boa consciência”, frequentemente por amor, infringe as regras da consciência de grupo.
Chamada por Hellinger de consciência arcaica ou também de “alma” (não no sentido religioso, mas no sentido latino da palavra, “aquilo que empresta movimento a algo”).
Ao faze-lo sobrevém então os efeitos desastrosos, seja para si, ou mais frequentemente para seus descendentes. Hellinger denominou esses princípios de “Ordens do Amor”.
Pois eles atuam através do amor profundo entre descendentes e antepassados.
Hoje, denominamos “Leis Naturais do Amor”, pois na verdade é uma lei da natureza, assim como a gravidade. Elas atuam independente do nosso conhecimento, concordância, opinião etc.
Suas percepções abriram também as portas para aquilo que as vezes permite a solução entre tais desordens, através de um amor mais amplo, consciente, que ultrapassa os limites restritos da consciência pessoal.
É nesse âmbito que se desenvolvem as Constelações Familiares, buscando restaurar a harmonia entre as ordens do amor dentro de cada grupo familiar.
Isso torna então muitas vezes compreensível o comportamento de cada membro familiar, bem como encontra uma saída para a expressão de seu amor.



Me coloco a disposição para maiores informações através do whatsapp (41) 9988 50759, ou inbox, ou na página do evento.
Aguardo todos aqui na Casa Sol Maior de coração aberto.

Leandro Stringari
Terapeuta Vibracional e Constelador Sistêmico

▼ Show More Information

Casa Sol Maior - Almirante Barroso, Sâo Francisco - Curitiba
adress is not specified
07 April , Saturday 15:30